As crianças não brincam de brincar. Brincam de verdade... Por isso Nunca se deve tirar o brinquedo de uma criança, tenha ela oito ou oitenta anos. Mario Quintana


terça-feira, 30 de outubro de 2012

Currículo autêntico

video

Por uma educação sem Medo e Autoritarismo


As crianças não são mais como as de antigamente: não são melhores nem piores, somente diferentes.

            Muitos pensam, falam ou ouvem frases do tipo “As crianças de hoje não são as mesmas de antigamente”, “Já não fazem crianças como antigamente”.
            Boa parte dos adultos concorda que tiveram uma educação melhor, pois em sua época os pais eram mais autoritários, mais rígidos e por isso havia mais limites. Vários defendem que os castigos, tapas e beliscões que sofreram na infância foram fundamentais para se tornarem os adultos que são hoje. “A palmatória foi crucial para eu ser o homem que sou!” alguém me disse.
            Discordo desse pensamento.
            Tais indivíduos foram crianças que cresceram educadas às antigas normas, aos antigos padrões e tornaram-se os adultos de hoje.
            Em minha opinião, considerando o que o mundo é atualmente, com toda a miséria, com todos os conflitos, agressões e assim por diante, o homem ainda é o mesmo de antes: bruto, violento, agressivo, acumulador e competitivo. E ele construiu uma sociedade baseada nestes termos.
            Vemos que nem todas as crianças possuem uma boa educação, uma boa alimentação, cuidados adequados para o seu desenvolvimento. Saímos a rua e nos deparamos com cenas deploráveis de crianças com frio, fome, simplesmente jogadas ao relento.
            Ou seja, as crianças de antigamente – hoje todas adultas – não conseguiram construir um mundo melhor.
            Então eu grito: Que bom que as crianças de hoje não são as mesmas de antigamente!
            Hoje as crianças estão submetidas a mais estímulos que antes, e o meio é menos restritivo à participação delas.
            O que nós adultos temos que fazer, tanto dentro de casa quanto nas escolas, é substituir o primitivo Medo/Autoritarismo pelo Respeito/Autoridade.
            Noto que um dos problemas principais em lidar com essas crianças é querer enquadrá-las em esquemas pré-estabelecidos.
            Queremos um mundo melhor, mas não estamos dispostos a educar nossos filhos sem enquadrá-los no que já existe (ou existiu?).  
            Temos que ter consciência do potencial de cada um deles.
            Temos que nos abrir para o novo, pois a missão deles é nos mostrar que um mundo melhor com respeito e harmonia é possível!